Na PGR, Janot pediu a Temer investigação internacional sobre o então ministro Serra

O ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot (esq.) e o senador José Serra (dir.) (Foto: Marcelo Camargo e Wilson Dias/Agência Brasil)

No início deste ano, quando ainda chefiava o Ministério Público, o então procurador-geral da República Rodrigo Janot se reuniu com o presidente Michel Temer a fim de pedir autorização do governo para uma investigação internacional que envolveria o então ministro das Relações Exteriores José Serra. Passados pouco mais de sete meses – período no qual Serra deixou o governo, Rodrigo Janot apresentou duas denuncias duas denúncias contra Temer e teve o mandato encerrado como procurador-geral –, a autorização para início das apurações, por meio da formação de uma força-tarefa com investigadores da Espanha, ainda não saiu. O episódio, desconhecido até então, foi narrado em tom de indignação pelo próprio Janot no mês passado, durante uma reunião de trabalho com procuradores-gerais sul-americanos em Brasília. Na ocasião, Janot desabafou sobre como o governo brasileiro, segundo ele, vinha dificultando a liberação de equipes conjuntas de investigação.

fonte: AGÊNCIA BRASIL

<

Em meio a articulações para barrar denúncia na Câmara, Temer discute com conselheiros estratégias de defesa

O presidente Michel Temer discute com conselheiros novas estratégias de defesa para barrar a segunda denúncia apresentada contra ele na Câmara dos Deputados. O advogado Antônio Cláudio Mariz deixou a defesa do presidente. O criminalista alegou conflito de interesses por ter atuado na defesa de Lúcio Funaro, operador do PMDB que fechou uma delação premiada homologada pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Funaro fez revelações envolvendo o presidente em sua delação. Temer foi denunciado por obstrução de Justiça e organização criminosa pelo então procurador-geral da República, Rodrigo Janot.

<

Ministro do STF autoriza inquérito para investigar senador Lindbergh Farias

O senador Lindbergh Farias (PT-RJ) (Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado)

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Celso de Mello autorizou a abertura de um inquérito para investigar o senador Lindbergh Farias (PT-RJ) em um desdobramento da Operação Lava Jato. Em nota, o senador disse que tem “absoluta certeza que este inquérito terá como destino o seu arquivamento”. Será apurado o crime de corrupção passiva e, como o caso está em segredo de Justiça, não há mais detalhes sobre o inquérito. A abertura do inquérito foi pedida no início deste ano. Na ocasião, se apontou conexão com outro inquérito, que investigava Lindbergh Farias por ter supostamente pedido R$ 2 milhões para a campanha dele ao Senado, em 2010.

Leia a íntegra da nota divulgada por Lindbergh Farias:
Acabo de saber pela Imprensa, sem maiores detalhes, que novo inquérito foi aberto contra mim. Infelizmente, não é a primeira vez que isto acontece. Tenho, no entanto, absoluta certeza que este inquérito terá como destino o seu arquivamento, assim como outros inquéritos já foram arquivados. O motivo é simples: trata-se de mais um capítulo da ofensiva política contra aqueles que resistem ao desmanche do patrimônio nacional e ao aniquilamento dos direitos do povo. Mais uma vez, nada tenho a temer.

Fonte: Agência estado

<

Governo prepara programa para incentivar saída de beneficiários do Bolsa Família

Cartão do Bolsa Família (Foto: Divulgação)

O governo federal deve lançar na próxima semana um novo programa social, cujo objetivo é elevar a renda de 1 milhão de famílias para que elas possam deixar o Bolsa Família em 2 anos. A informação foi adiantada pelo ministro do Desenvolvimento Social, Osmar Terra. Batizada de Progredir, a ação oferecerá cursos de qualificação profissional, ajudará na seleção de oportunidades de trabalho e disponibilizará R$ 3 bilhões em microcrédito para famílias de baixa renda, inscritas no Cadastro Único dos programas sociais do governo federal, explicou Terra. “É um programa vinculado ao público do Bolsa Família, a população mais pobre do Brasil, que visa criar oportunidade de emprego e renda para essa população. Não é um programa para tirar as pessoas do Bolsa Família”, disse o ministro. Apesar disso, o ministro trata o novo programa do governo como uma “forma de emancipação” do Bolsa Família. “Ninguém pode passar fome, mas o Bolsa não deve ser um projeto de vida”, afirmou

Fonte: Governo Federal

<

Projeto que altera valores do IPTU no próximo ano é aprovado por 14 a 2 na Câmara. Subiria entre 100% e 600%

APENAS DOIS VEREADORES VOTARAM CONTRA: JAIR ABREU E DRA. MIRIAM – “PROJETO CHEGOU CORRENDO, FOI VOTADO CORRENDO, SEM DISCUSSÃO” DISSERAM. Os vereadores, Jair Abreu e Dra. Miriam disseram que em algumas localidades o valor dobraria, e em outras ficariam de três a seis vezes mais caro. E que a Prefeitura está dando uma margem vultuosa alegando que a última avaliação foi feita em 2006. “Concordamos em alguns casos, pois tem bairros nobres que pagam pouco mesmo” Citando ainda que o novo valor afetaria em cheio os distritos. A vereadora Dra. Miriam citou que o imóvel do bairro São Francisco que era de R$ 29 o metro quadrado passaria para R$ 160, seis vezes mais. Na Rua Newton Rezende de R$ 195 para R$ 469 . Em Vermelho passaria de R$ 11,18 para R$ 38,63 o metro quadrado. A informação é que todos os endereços serão reajustados.

<

Câmara recebe nova denúncia da PGR contra Temer; presidente será notificado

Denúncia contra Temer segue para a Câmara; decisão foi por 10 a 1 no STF

A Câmara dos Deputados recebeu do Supremo Tribunal Federal, a nova denúncia contra o presidente da República Michel Temer apresentada pela Procuradoria Geral da República (PGR). Com isso, Temer será notificado a apresentar a defesa sobre as acusações. O documento foi entregue pelo diretor-geral do STF, Eduardo Toledo, à Secretaria Geral da Mesa da Câmara. Temer foi denunciado ao STF pelos crimes de organização criminosa e obstrução da Justiça. Mas a Corte só poderá analisar a acusação se a Câmara autorizar. A votação pode acontecer em outubro próximo, segundo estimou o presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ). o Supremo rejeitou por 10 votos a 1, pedido de defesa de Temer para suspender o envio da denúncia à Câmara. Os advogados do presidente queriam que a Corte aguardasse a conclusão das investigações sobre se executivos da J&F omitiram informações nas delações premiadas. As provas apresentadas por eles compõem parte da denuncia contra Temer.

<