Circuito Unifaninas de Voley de areia

Depois de dois dias de competição de alto nível, terminou na tarde do último domingo o Circuito Unifaminas Muriaé Vôlei de Areia. Veja os resultados:

DUPLA CAMPEÃ: Paulo César Paiva e Gustavo Pacheco do Vale.

DUPLA VICE-CAMPEÃ: Arthur Simão Ferreira Antunes e Moacyr Pereira.

DUPLA 3º lugar: Daniel Dutra e Júnior (Miracema)

DUPLA 4º lugar: Gabriel x Mário Sérgio.

8 em cada 10 brasileiros dizem não seguir orientação de religiosos na hora do voto, aponta Datafolha

Oito em cada 10 brasileiros dizem que não levam em conta a opinião de seus líderes religiosos para escolher seus candidatos nas eleições, segundo pesquisa Datafolha divulgada levantamento não leva em consideração os 8% que declararam não ter religião. Entre os 19% que consideram as recomendações, 4% o fazem apenas se o candidato for ligado à sua igreja. Entre as religiões, a evangélica é a mais suscetível à recomendação de suas congregações. Veja os resultados da pesquisa por religião: Costuma considerar candidatos apoiados por seus líderes religiosos? Geral: 19% Entre católicos: 17% . Entre evangélicos: 26% – Já votou num candidato recomendado pela igreja? Geral: 9% – Entre católicos: 6% – Entre evangélicos: 16% – Já votou em um candidato evangélico? Geral: 21% – Entre católicos: 15% Entre evangélicos: 31% – Veja os votos por religião do candidato: Votaria em um presidenciável católico? Com certeza: 25% Talvez: 49% – De jeito nenhum: 16% Votaria em um presidenciável evangélico? Com certeza: 21% – Talvez: 46% – De jeito nenhum: 24% Votaria em um presidenciável ateu? – Com certeza: 8% Talvez: 33% De jeito nenhum: 52% A pesquisa foi realizada entre 27 e 28 de setembro com 2.772 entrevistados em 194 cidades. A margem de erro é de 2% para mais ou para menos.

FONTE – DATA FOLHA

Quantas mortes serão necessárias para que se leve o bullying a sério?

Os tiros disparados por um adolescente numa escola de Goiás contra outros adolescentes, matando dois colegas e ferindo outros, estão relacionados ao bullying que ele sofria. Quantas outras mortes serão necessárias para que este assunto seja levado a sério pelos pais, pelas escolas e pelos próprios estudantes? O bullying já mostrou ser um problema grave. Pode causar depressão, até mesmo suicídio. Pode deixar sequelas para toda a vida. E quando pessoas que sofrem essas agressões continuadas já padecem de algum distúrbio psicológico, a reação é imprevisível e, não raro, acaba em tragédia. Nem sempre é fácil descobrir se a criança sofre ou pratica bullying, mas tudo é mais simples quando os pais constroem uma relação de confiança e diálogo aberto, com sensibilidade para acolher o filho, sem minimizar a importância de seus problemas, atentos a suas aflições. Estar mais próximo da escola, conhecer a família dos colegas, frequentar as redes sociais e conversar com os filhos sobre o seu dia são algumas das formas de descobrir se a criança é vítima de hostilidades ou se pratica violência contra alguém. Em ambos os casos, procurar a escola é fundamental. Eventualmente, vale também a ajuda de especialistas. Jamais se deve, em casa, reforçar o comportamento de sofrer calado porque “todo mundo passa por isso”, nem mostrar orgulho porque o filho é “o valentão da escola” e todos o temem. A escola não pode se omitir. Projetos que promovam a empatia, com o estudante se colocando no lugar do outro, ajudam a prevenir o bullying. Nas turmas de adolescentes, em que os professores ficam pouco tempo com os estudantes, é preciso que ainda assim fiquem atentos para detectar situações de desrespeito. Há que envolver as famílias imediatamente. Tanto as vítimas como os agressores inspiram cuidados – afinal, não é normal se divertir humilhando os outros. Também vale um alerta para os estudantes. O bullying só existe porque há uma plateia. Em torno daquele que agride e daquele que é atacado, costuma haver uma turminha que ri e aplaude. Sem esse sucesso, os agressores costumam desistir. Quando houver alguém sofrendo atos de crueldade, cabe a denúncia. Isso vale para toda a vida, e começa no ambiente escolar, onde as crianças esperam aprender, fazer amigos e se divertir.

Formados em direito têm os maiores salários entre as 10 carreiras mais procuradas no Sisu, aponta levantamento

Carteira de trabalho- Fotos Públicas

A expectativa de salário e a progressão do valor na carreira são aspectos visados por vestibulandos no momento de escolher uma profissão. A remuneração de pessoas formadas em direito disparam na frente das carreiras dos 10 cursos com maior número de matrículas e formados, de acordo com pesquisa feita pela empresa de ciência de dados IDados. O curso também apresenta maior progressão financeira: do salário inicial para o médio da carreira, o crescimento é de 195%. De acordo com o Inep, 48,3% das matrículas no ensino superior se concentram em 10 graduações: administração, ciências biológicas, ciências contábeis, direito, educação física, enfermagem, engenharia civil, medicina, pedagogia e psicologia. A parcela de formaturas nesses cursos é similar, com 48,7% dos concluintes sendo diplomados nessas áreas. No Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do MTE, a pesquisadora responsável pelo levantamento, Thaís Barcellos pegou os dados de contratação e de criação de vagas nos últimos três anos. Ainda no MTE, ela consultou a Relação Anual de Informações Sociais (Rais), para obter dados de remunerações nas carreiras.

Presidente Michel Temer dá desconto de até 60% em multas ambientais e permite troca por prestação de serviços

Temer assina decreto em Miranda, no Pantanal de MS

O presidente Michel Temer assinou um decreto que permite converter multas ambientais ainda não pagas em prestação de serviços, também na área ambiental. Quem aderir terá desconto de 60% nas multas. Há no governo atualmente R$ 4,6 bilhões em multas ambientais passíveis de conversão, segundo Suely Araújo, presidente do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama). Segundo o decreto, todos os recursos serão utilizados em projetos ambientais que serão definidos pelo governo federal. Um aspecto interessante dessa regulamentação é que o projeto não pode ser na mesma área que motivou a multa, porque o infrator independente da conversão vai ter que fazer a recuperação da área e, além disso, ele vai ser responsável também pela área que ajudar a recuperar. Temer ressaltou que o anúncio destas ações demonstra o compromisso do seu governo com a questão ambiental, destacou que a assinatura não poderia ter ocorrido em local mais adequado do que uma reserva dentro do Pantanal e que o grande objetivo de sua gestão é assegurar que caminhem juntos os que produzem e os que defendem o meio ambiente.

Portaria exclui da definição de trabalho escravo quase 90% dos processos, aponta Ministério Público

Trabalhadores que viviam em curral são resgatados (Foto: Alexandre Silva/Ascom MPE)

foto Ilustrativa

Cerca de 90% dos processos e investigações sobre trabalho escravo acompanhados pelo Ministério Público do Trabalho (MPT) estão relacionados a situações que deixaram de ser classificadas como análogas à escravidão após a publicação da portaria 1.129 pelo governo Michel Temer segundo informou o órgão. Atualmente, o MPT acompanha 709 procedimentos, dos quais 637 envolvem empresas autuadas por manter trabalhadores sob condições degradantes, jornada exaustiva ou trabalhos forçados, os três critérios excluídos após a publicação da portaria. Isso significa que, se a portaria estivesse valendo antes dessas autuações, 89,8% dos procedimentos não teriam se transformado nos processos hoje acompanhados pelo MPT. Os outros 72 casos, cerca de 10% do total, se referem a servidão por dívida, critério mantido na portaria como análogo à escravidão quando associado a restrições de liberdade, como falta de transporte ou emprego de segurança armada. Apesar das mudanças introduzidas pela portaria, o MPT informou que continuará atuando da mesma forma, por considerar a medida ilegal, e atuando de acordo com as definições do Código Penal.

Jovem cadeirante lança livro que aborda diversos temas, entre eles a acessibilidade

O jovem muriaeense Vinícius Andrade Levate, lançou seu primeiro livro “A voz da minha cadeira”, no teatro Zaccaria Marques. O livro apresenta textos, poemas, crônicas sobre os mais variados assuntos, entre eles a acessibilidade. Vinícius compartilha parte das dificuldades enfrentadas no dia a dia em função de sua limitação motora. Os desafios vão desde a utilização incorreta das vagas especiais destinadas a deficientes até a falta de estrutura nas vias públicas. Na obra, o autor também fala da paixão pelos familiares, amigos, a vida no campo, os cavalos e a música. O livro será vendido a R$25. A obra tem o apoio da Lei de Incentivo a Cultura Alcyr Pires Vermelho.