Filho confessa ser o mandante do assassinato do pai, no bairro São Pedro

Após sete meses em silêncio, mas com a atuação constante dos investigadores da AISP 150 no Rosário, comandados pelo delegado Dr. Marcelo Aguiar, a Polícia Civil de Muriaé conseguiu chegar a quatro pessoas diretamente envolvidas no homicídio do empresário do ramo de confecções Marcelo Machado Silva, de 37 anos, ocorrido no quarto de sua residência no bairro São Pedro, na madrugada de 17 de agosto 2011 com um tiro na cabeça, além de sua esposa que também foi atingida, mas sobreviveu.

Desde o dia do crime a polícia iniciou as investigações e na última segunda feira (19) chegou a um rapaz de 20 anos, que conhecia bem o caso e mais dois envolvidos: R.Q.O, 28 anos que participou do fato e o adolescente M.Q.O, 15 anos que é suspeito ter disparado os tiros que atingiram o casal. Até ai tudo caminhava dentro das investigações, mas o que mais causou surpresa foi saber que o mandante da morte de Marcelo Machado, segundo os acusados e os levantamentos feitos pela polícia civil, foi Willian Machado, 19 anos filho do casal, que é acusado de ter contratado os outros envolvidos, para eliminarem seus pais.

Após ter o depoimento dos três, o delegado Marcelo Aguiar aguardou sua equipe de investigadores localizarem o suspeito. De posse do mandado de prisão temporária expedido pelo Juiz da Comarca de Muriaé o acusado foi encontrado onde na presença do seu advogado confessou ser o mandante do crime e disse mais, que em outras oportunidades também havia tentado contra a vida dos pais com bebidas e simulação de acidentes, mas não obteve êxito. Já na semana do crime contratou por um valor aproximado de R$ 20 mil reais os autores e deixou a casa aberta, com a porta de seu quarto fechada até que o “serviço” fosse feito. Willian disse que não agüentava mais a forma como seu pai o tratava e tomou essa decisão por problemas familiares. A forma como Willian se declarou culpado também chamou a atenção de todos, pela frieza como contou os detalhes do caso. Depois do depoimento Willian foi encaminhado à sede da 4ª DRPC onde foi mais uma vez ouvido e levado para a carceragem do Presídio Safira, até a conclusão dos trabalhos da Polícia Civil.

Colaboração: Interligado on Line

<

Policlínica da Encoberta passa por reformas

Secretário Dr. Marcos Guarino

A Policlínica que funciona no CAIC Encoberta, está fechada desde o dia 1º de fevereiro prejudicando o atendimento aos moradores daquele bairro e região, será reaberta, segundo nos informou o secretário Municipal de Saúde, Marcos Guarino.

A policlínica possui várias áreas de atuação médica, e atende a um grande número de pacientes, que hoje têm que se deslocar até a Unidade Básica de Saúde (UBS) do São Francisco.

O motivo da desativação foram as enchentes que afetaram a sua estrutura sendo obrigado a realização de uma reforma completa, descartando o seu fechamento em definitivo. “Jamais passou pelos interesses da prefeitura e secretaria desativar essa policlínica, que já está recebendo toda reformulação e em breve voltará a atender”, garantiu Marcos Guarino.

<

Condenado autor da morte de funcionário da Caixa

Autor de homicídio contra funcionário da Caixa

Preso desde a semana do crime na noite de sexta-feira (06), no bairro Santo Antônio, quando matou o funcionário da Caixa Econômica Federal, Antônio Jose Fernandes, de 49 anos, na via saúde, na noite de terça-feira três de agosto de 2010, Alex José Nascimento Souza foi condenado a de 13 anos, 4 meses e 26 dias por roubo qualificado que culminou em morte.

A vítima teve um cordão de ouro roubado e depois foi atingido com uma facada no peito e ficou caído no calçadão da BR, sendo socorrido pelos militares do Corpo de Bombeiros, mas faleceu antes mesmo de dar entrada no Hospital São Paulo. Durante as investigações a Polícia Civil chegou ao nome de Alex José, que era usuário de crack e normalmente ficava pelas imediações do local do crime.

O advogado do réu recorreu da sentença e está no aguardo da decisão e enquanto isso Alex permanece preso.

Fonte: INTERLIGADO

<

Governo autoriza reajustes de até 5,85% nos preços dos medicamentos

Os novos preços entram em vigor a partir de 31 de março e terão de ser mantidos até março de 2013. As regras valem para cerca de 20 mil itens do mercado farmacêutico, como antibióticos e remédios de uso contínuo. Medicamentos de alta concorrência no mercado, fitoterápicos e homeopáticos não estão sujeitos aos valores determinados pela CMED – seus preços podem variar de acordo com a determinação do fabricante.

Os valores de reajuste provocaram uma reação imediata do setor. O Sindusfarma divulgou nota mostrando preocupação com a determinação de reajuste negativo de 0,25%. Eles afirmam que a redução compromete a rentabilidade do setor e, com isso, a perspectiva de lançamentos de produtos e investimentos das empresas.

O cálculo de reajuste de remédios leva em conta uma série de fatores. O primeiro deles é o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) acumulado entre março de 2011 e fevereiro de 2012. Além disso, é observada a competitividade de determinado remédio no mercado, avaliada pelo nível de participação de genéricos nas vendas do segmento. Quanto maior a participação de genéricos nas vendas, maior o porcentual de reajuste. A composição do índice de reajuste observa também o ganho de produtividade. São fixadas três faixas de reajuste, que obedecem a esse critério.

O reajuste de preços não é imediato. Para aplicar o aumento, empresas produtoras de medicamentos deverão apresentar à CMED um relatório informando os porcentuais que querem aplicar. O valor fixado pela CMED é o teto. As empresas podem, portanto, fixar preços menores.

Fonte: Agência Estado

<

Costelão do Bafo em novo endereço

Venha saborear uma comida caseira de verdade. Costelão do Bafo, agora ao lado do Hotel Elite, na Avenida Rio Bahia, 5415. Funcionando de segunda a sábado, de 07h ás 24. Sirva-se ainda de uma costela de boi no bafo, lombo e largato. Delicias que só o Costelão do Bafo tem e sabe fazer.

Você se delicia do melhor e um ambiente amplo saboreando também a sua cerveja preferida, e ainda o litrão da Skol e da Brahma, além de vários refrigerantes. Música ao vivo, todos os sábados das 10h ás 17h. Costelão do Bafo, o seu ponto de encontro e lazer. Agora na Avenida Rio Bahia, 5415, ao lado do Hotel Elite.

Direção do Vandinho Batatinha.

<

Prefeito assina convênio para a construção de mais casas populares

Em reunião realizada no Centro Administrativo, a Prefeitura de Muriaé e o Banco do Brasil (BB) firmaram convênio para a construção de até 617 novas moradias populares no distrito de Vermelho. Além de representantes das duas instituições, o encontro teve ainda as presenças do deputado federal Renzo Braz, do vereador Devail Corrêa e de sócios-proprietários da empresa SRQ Construções, que ficará responsável pelas obras.

Ao contrário dos projetos anteriores do programa “Minha Casa, Minha Vida” no município, deverão ser construídas apenas casas – o Residencial Nova Muriaé, inaugurado em 2010, conta com 76 sobrados de dois andares, enquanto o conjunto habitacional que está sendo erguido no bairro Dornelas II terá 10 prédios de quatro pavimentos. As novas moradias serão destinadas a famílias com renda de até três salários mínimos.

– A Prefeitura irá fazer o cadastro de famílias e enviar a listagem ao Banco do Brasil. A palavra final sobre os contemplados pelas casas será do banco – explica o prefeito.

A expectativa é que as obras comecem já nos próximos dias. A novidade é que, desta vez, as casas terão aquecedores solares, permitindo a economia de energia elétrica. O projeto, orçado em R$32 milhões, prevê ainda a construção de uma área de convivência para os futuros moradores do conjunto habitacional.

BB como agente financiador
Conforme anunciado pelo Ministério do Planejamento no ano passado, o Banco do Brasil também passa a atuar como agente financiador do “Minha Casa, Minha Vida” – até então, apenas a Caixa Econômica Federal fazia esse papel. De acordo com o superintendente regional da instituição, Alexandro Rabelo, Muriaé é o primeiro município a firmar convênio com o BB para a construção de moradias populares.

<